24 de março de 2011

Elizabeth Taylor

A conceituada actriz britânica, nascida em 1932, faleceu ontem, devido a complicações cardio-vasculares. O mundo perdeu um dos maiores ícones cinematográficos, que contribuiu para o desenvolvimento da Sétima Arte, conquistando dois Óscares. Também se destacou ao organizar campanhas contra a Sida, o que lhe valeu condecorações por parte da Rainha Isabel II e do antigo presidente americano Bill Clinton.

Elizabeth casou oito vezes, duas delas com o actor Richard Burton, com quem contracenou em vários filmes na década de 60. A química que os actores demonstravam no set de filmagens atraia fotógrafos e jornalistas, o que fez deles um dos casais mais mediáticos do cinema.
A sua beleza exótica, onde os olhos de tom violeta captavam todas as atenções, fez-lhe conquistar vários papéis e popularidade por parte do público.

Na sua vida também existiram momentos conturbados, como aqueles em que lutava contra o vício do álcool e das drogas ou em 1997 quando sofreu uma cirurgia de remoção de um cancro no cérebro.

There's One Born Every Minute (1942)


Lassie Come Home (1943)


Little Women (1949)


Father of the Bride (1950)


Place in the Sun (1951)


Ivanhoe (1952)


Raintree County (1957)


Cat on a Hot Tin Roof(1958)


Suddenly, Last Summer (1959)


Butterfield 8 (1960)


Cleopatra (1963)


Who's Afraid of Virginia Woolf? (1966)


The Blue Bird (1976)


Poker Alice (1987)


The Flintsones (1994)






Trabalhos em publicidade


9 de março de 2011

Closer

Closer é um drama de 2004 dirigido por Mike Nichols com argumento de Patrick Marber que escreveu a peça homónima. O filme conta com um pequeno, mas luxuoso elenco: Jula Roberts como Anna, Natalie Portman como Alice, Clive Owen como Larry e Jude Law como Dan.


Dan e Alice apaixonam-se à primeira vista, ele é um escritor de obituários que tenta lançar um livro e ela é uma misteriosa recém chegada de Nova Iorque a Londres.
Dan consegue editar o sue livro e é fotografado por Anna, acabando por se envolver com ela. A fotógrafa rejeita-o ao saber da existência de Alice e como vingança Dan usurpa a sua identidade on-line e acaba por lhe arranjar um encontro com Larry.

A trama desenrola-se através de viagens temporais que nos mostram as decisões dos casais e suas consequências, sem nunca vermos os meios que deram origem aos fins. Closer fala-nos de sexo, amor e traição, sem romanceios nem eufemismos.

Destaque para Owen que interpreta um homem aparentemente simples, mas também sujo, cavernoso de um modo passional. O actor começou o seu trabalho dando vida a Dan, mas pediu para interpretar Larry, o que lhe valeu a nomeação ao Óscar de melhor actor secundário.


Roberts não surpreende, o que se deve em grande parte à inerte e cobarde Anna.


Jude Law dá vida a um sujeito pouco confiante e ambíguo que aparenta sofrer de múltipla personalidadeao longo da trama, isto porque vemos um Dan diferente em cada cena- o amado, o traído, o apaixonado, o humilhado, o rejeitado, o acolhido.


A grande lição retirada é já cliché: quem ama não mente. Acaba por se subentender uma alegoria, onde a verdade ocupa o papel do amor e vice-versa. Alice é a única que leva esta lição como estandarte, defendendo que quando o amor acaba há que assumi-lo e ir embora, sem medo da solidão e do futuro incerto.


Os planos fechados mostram-nos os sentimentos dos personagens e deveriam ser mais recorrentes, uma boa aposta para os longos e crus diálogos de que é feito Closer. A cena da discussão entre Larry e Anna é memorável, ferindo o espectador de um modo imprevisível.
Não é só esta cena que contém um diálogo imprevisível, toda a película tem este poder de surpreender.

8 de março de 2011

Natalie Portman

A jovem actriz judaica, nascida em Israel, tornou-se na namoradinha da América devido ao seu último trabalho "Black Swan", que lhe deu um Óscar de melhor actriz principal. Se essa consagração foi justa, perante o desempenho das outras nomeadas, cabe a cada um julgar, a verdade é que Portman tem dado cartadas ao longo da sua carreira e mostrado uma versatilidade nada comum em outras estrelas da sua geração.

Logo após a sua estreia no grande ecrã em "Léon" de Luc Besson, Portman entrou em produções de Woody Allen e Tim Burton. A saga "Star Wars" deu-lhe reconhecimento por parte de um público mais mainstreem, seguindo-se "V for Vendetta" e "Closer", trabalho pelo qual foi nomeada para o Óscar de melhor actriz secundária.


Léon, o seu primeiro filme (1994)


Everyone Says I Love You (1996)


Star Wars (1999)


Closer (2004)


V for Vendetta (2005)


Goya's Ghosts (2006)


My Blueberry Nights (2007)


Contracenando com Scarlett Johansson em The Other Boleyn Girl (2008)


New York I Love You (2008)


Black Swan (2010)


Na sua última comédia romântica com Ashton Kutcher (2010)


Portman estreou-se na direcção de filmes em 2008 e hoje já tem a sua própria produtora.
Para além do seu sucesso no mundo da Sétima Arte, Natalie formou-se em Psicologia na consagrada Universidade de Harvard, é vegetariana desde os oito anos, pratica balé desde os três e fala quatro línguas, entre elas hebraico. Está prestes a viver o papel da sua vida, tal como a própria tem vindo a referir em entrevistas, o papel de mãe.